Hepatopatias

Tratamento Nutricional para Hepatopatias

Divider Diana Ruffato Nutricionista

HepatopatiasO fígado é um órgão que tem capacidade de se regenerar desde que ele tenha de 10 a 20% de seu tecido saudável. Ele é responsável pelo metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras, pelo armazenamento e a ativação das vitaminas e minerais, pela formação e a excreção da bile, pela conversão da amônia em ureia pelo metabolismo de esteroides e pela filtração de metabolitos tóxicos, medicamentos e álcool.

 

As hepatopatias são o conjunto de doenças que podem comprometer a função hepática (do fígado). Dentre os conjuntos das doenças temos as hepatites agudas, como as causadas por vírus, como a hepatite A, B e C. Esses são casos de hepatites sem história prévia da doença e que ocorrem devido à exposição de algum fator como vírus e medicamentos.

 

Temos as hepatites crônicas que são quadros que acontecem a longo prazo, mais de 6 meses com comprometimento das funções hepáticas. No caso das hepatites crônicas há mudança no tecido hepático, com acúmulo de gordura no tecido, a famosa esteatose hepática. Esse quadro é reversível, mas se não tratado corretamente pode evoluir para cirrose hepática que não consegue mais ser revertido.

 

A esteatose hepática pode ser secundária a doenças crónicas que aumentam a resistência à insulina, como obesidade, diabetes e dislipidemias (problemas de aumento de colesterol e triglicérides). Dessa forma, o tratamento Nutricional para a reversão da esteatose está intimamente ligada a melhora dessas doenças crônicas e o componente nutricional nesses casos é o carro chefe para o tratamento da doença!

 

De acordo com o último consenso da Sociedade Brasileira de Hepatologia a dietoterapia para a esteatose deve ser baseada em uma dieta com quantidades moderadas de carboidratos, e baixa em gordura saturada e trans. Não se recomenda para esse caso dietas com restrições extremas de carboidratos.

 

Dieta para o tratamento da esteatose hepáticaUma revisão publicada na revista Nutrient em 2018 indica a dieta do mediterrâneo como a melhor alternativa para tratamento da esteatose hepática. Essa dieta é composta por:

 

  1. A base na alimentação deve ser de frutas, verduras e legumes, com ingestão bem alta desses alimentos em todas as refeições;
  2. Ingestão moderada de carboidratos na sua forma integral de preferência;
  3. Aumento na ingestão de carnes brancas principalmente peixes e proteínas de fonte vegetal como grão de bico, lentilha, feijão, ervilha;
  4. Aumento no consume de gorduras monoinsaturadas que estão no azeite, abacate e castanhas.

 

Essa é a base! Sem essas condutas não é possível ter resultados favoráveis. Se essa base estiver bem-feita alguns elementos podem auxiliar, mas lembrem-se, eles apenas auxiliam se os quatro pontos anteriores estiverem sendo seguidos!!!

 

Algumas coisas que auxiliam, mas não são determinantes:

 

  1. Resveratrol, presente no vinho tinto;
  2. Probióticos, ajudam a modular flora intestinal e dessa forma melhoram quadro inflamatório, encontrados em alguns iogurtes e sachês em farmácia;
  3. Cafeína: possui efeito antioxidante e anti-inflamatório;
  4. Colina: encontrada na gema do ovo, é um nutriente que faz parte do complexo B de vitaminas. Ele ajuda a fazer o transporte de VLDL colesterol.

Referências

 

MAHAM, L. K.; ESCOTT-STUMP, S. Krause: Alimentos, nutrição e dietoterapia. 14. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.
PERDOMO, C.M; Frühbeck, G; ESCALADA, J. Impact of Nutritional Changes on Nonalcoholic Fatty Liver Disease. Nutrients, 11, 677; 2019.
COTRIM, H.P; PARISE, E.R; FIGUEIREDO-MENDES, C; GALIZZE-FILHO, J; PORTA, G; OLIVEIRA, C.P. Nonalcoholic Fatty Liver Disease Brazilian Society Of Hepatology Consensus. Arq Gastroenterol. V.53, N.2, p118-122,2016

Leia Também

Tratamentos - Neofobia

Você sabe o que é Neofobia? O nome pode assustar, mas é um comportamento recorrente em crianças e adolescentes. Saiba como tratar a Neofobia com nossa nutricionista.

nefropatias

Nefropatias são os conjunto de doenças renais. Podem ser crônicas (que evoluem lentamente e perduram por longos períodos da vida) ou agudas (doenças transitórias com cura em dias ou semanas).

pacientes oncológicos

A desnutrição em pacientes oncológicos em estado avançado ocorre pela ingestão inadequada, pelo aumento das necessidades nutricionais decorrentes da própria doença uma vez que ela pode trazer prejuízos nos mecanismos de absorção dos nutrientes.