Esteatose hepática: como é feito o tratamento?

18 de dezembro de 2023

Também conhecida como gordura no fígado ou fígado gordo, a esteatose hepática consiste em um acúmulo excessivo de gordura no fígado, sendo um problema muito comum na população. Geralmente ela é notada por alguns sintomas como dor do lado direito do abdômen, enjoos, mal-estar geral, vômitos e barriga inchada. 

 

A esteatose hepática pode ser causada por varios fatores como o consumo excessivo de álcool, predisposição genética e uma  alimentação rica em gorduras e doces . Devido aos sintomas causados e o risco que essa condição representa, é necessário consultar um médico especialista para um diagnóstico correto e avaliação do funcionamento desse órgão. 

 

Essa condição apresenta graus distintos de acordo com a sua gravidade. Em graus mais leves e sem componente inflamatório é possível reverter a doença mas se não tratada evolui para um quadro de cirrose hepática. A cirrose não regride. 

 

Grau 1: existe um leve acúmulo de gordura em aproximadamente 30% das células do fígado, sendo o nível de esteatose hepática mais leve;

 

Grau 2: neste nível, a gordura se acumula em aproximadamente 60% das células do órgão.

 

Grau 3: esse é o grau mais grave de esteatose hepática devido ao maior comprometimento do fígado.

Leia também: Gordura no fígado: quando começar a se preocupar?

Como vimos acima, os sintomas mais comuns desta condição são:

 

  • Dor localizada na porção direita superior do abdômen;
  • Cansaço;
  • Perda de peso sem explicação;
  • Enjoos;
  • Mal-estar geral;
  • Entre outros.

 

Durante as primeiras fases da esteatose hepática, o paciente pode não apresentar nenhum sintoma, de forma que na maior parte dos casos, o diagnóstico é feito de forma acidental durante a realização de outros exames. 

 

O diagnóstico deve ser feito por um médico especialista que além, da avaliação clínica e do histórico do paciente, vai solicitar a realização de exames como ultrassom de abdômen e alguns exames laboratoriais. Feito esse diagnóstico, é necessário iniciar o tratamento para a redução da quantidade de gordura presente no fígado.

 

Além do acompanhamento com o médico, é necessário implementar algumas mudanças de hábitos alimentares que podem contribuir para a melhoria da doença. Por esse motivo, é essencial buscar ajuda de um nutricionista especializado em condições desse tipo e que esteja preparado para fornecer as adequações e mudanças necessárias na dieta de forma a regredir o avanço e restabelecer a saúde e a qualidade de vida do paciente.

 

Leia mais
Olá!

Gostaria de receber uma ligação?